16 dezembro 2017


O Natal Estava à Porta

O Natal estava à porta, inundado de sol
os cânticos estrelados em cada olhar
as luzes recortadas em divina alegria doirada
os corações abertos à felicidade das mãos dadas
como se timbra esta quadra ano após ano
quando decidiste num repente alagar de tristeza
o rio caudaloso das minhas lágrimas
partindo sem ao menos um ligeiro adeus
um silêncio mínimo que fosse a acordar a memória
das rolas dos campos de Serafão
um bater de pálpebras um sorriso ao menos
não, simplesmente gelaste, um universo final em redor
branco branco ausente inultrapassável
deixando-me apenas na alma o amargo da dor
que não consegue despegar-se de mim
uma saudade granítica, imorredoura
cada vez mais angulosa agreste penetrante

o meu coração deixa-te esta rosa vermelha
este bouquê adorado de estrelas que conservarás intacto
até ao nosso reencontro no firmamento da aurora
a mesa estará posta, mãe, na noite do meu coração
para que regresse feliz a consoada em família
como no tempo em que, criança, ansiava
a vinda do pai como a melhor prenda do Menino Jesus!



Artur Coimbra
(Texto publicado no blogue do autor)


15 dezembro 2017

Lenços, boinas e rebuçados

A boina, comprada em contrabando, tua imagem de marca.
Tempo de telhados escuros e carambelo
Pendurado. Rebuçados da criançada.
E a salto era a vida entre povos irmãos.
E eram de seda os lenços
Que trazias junto ao coração.

Os sonhos sobravam-te nas mãos.
E passavam para as minhas – pequeninas.
Multiplicados.
As estrelas exultavam nos teus olhos.
E os meus eram borboletas e botões.
Trinados e campainhas.

Entre os dois, o riso era rio de infinitos.
O picão dos medos era púlpito de salmos.
E na ternura da tua voz e ao frio abraçado
Trazias o Natal para nós.

Pai, que bem te ficava a boina!


Lhenços, gorras i saltaretes (Lhéngua mirandesa)
La gorra, mercada an cuntrabando, la tue eimaige de marca.
Tiempo de telhados scuros i pingones
Colgados. Arrebuçados de ls ninos. 
I a salto era la bida antre pobos armanos.
I éran de seda ls lenços 
Que trazies acerca al coraçon.

Ls suonhos sobrában-te nas manos.
I passában pa las mies – pequerricas.
Multeplicados. 
Las streilhas relhuzían ne ls tous uolhos.
I ls mius éran paixarinas i bretones.
Trinados i campaninas.

Antre ls dous, la risa era riu d'anfenitos.
La pienha de ls miedos era altar de salmos.
I na ternura de la tua boç i al friu abraçado
Trazies l Natal para nós.

Pai, que bien te quedaba la gorra!

Teresa Almeida Subtil
(Poema inédito)



14 dezembro 2017


Cunta de Natal

Ye Natal siempre que nace un nino.
(adaige popular)

La nuite apanhou-los çcalços i a meio de l camino. El bien le parecie que meter-se por aqueilha sierra alantre, nun Eimbierno cumo este, era atentar contra las leis de l sol. Mas eilha, ah que Dius que querie que l nino nacisse na sue tierra. Por isso, metírun-se a camino. L’albarda an riba de l burro i meta para lantre. L pior staba para benir. Mal habien deixado las últimas casas de l lhugar ampeça-te a nebar. Caie cun tanta coraige que, se nun fússen ls pies anterrados, las manos i la nariç anregelados, daba gusto ber assi l cielo, çprumándo-se i abrindo-se subre la tierra. L Joan Aires, qu’antes soprara a bun soprar, cerrara boca i puortas, deixando que la brancura fusse pousando subre la tierra i que las árboles la recebíssen de braços abiertos. A poucos i poucos l lhençol íba-se stendendo.
L burrico sacudie las oureilhas. Eilha, an riba del, nun daba sinales de friu, acalcida i ambrulhada an sous pensares subre l bientre adonde l nino inda drumie l suonho de l’eiternidade donde benie. Delantre, cumo que abrindo camino, seguie el cun l’arriata metida na jabeira a saber d’algun calorico pa las manos anregeladas. Mete pie, saca pie, yá nun s’aguantaba mais.
− I se quedássemos alhi naqueila cabanha?
Eilha inda quijo dezir que nó, cun las ganas que tenie de chegar al niu adonde nacira, mas la niebe i las delores yá nun la deixórun. Beixou de l burro i precurórun algua calentura naqueilha cabanhuola de piedra que, por cierto, yá haberie serbido d’agasalho para muitos pastores i buieiros. Era un casulho arredundado i stribado subre ua peinha. Al redor, adonde debie de ser un cerrado, agora solo se lhebantában alguns freznos, zgalhados, znudos i cun ganas de chegar al cielo. Assomórun-se a l’antrada i, indas que pequeinha, cabien alhá dues ou mesmo trés pessonas. L burro quedaba por fuora indas qu’apuis tamien metisse l çofino an drento para que l friu nun le gilasse las oureilhas.
− Bou-me a ber se dou cun algun palico ou algua outra cousa para acender un lhumico, dixo el.
Saliu. Mas leinha, quien la bie! Las tierras, biesse bien que debien de ser aradas, porque de broça ─ scobas, xaras, tomilhos ou mesmo piornos ─ nada s’anxergaba. Las poucas árboles, ua ou outra carbalheira ou carrasqueirrica, cobiertas por aqueilha manta i anregeladas até l miolho, nun tenien galho por donde se pegasse. I na tierra, ls muorgaços stában tamien bien scundidos debaixo de l lhençol. Mas al rape d’ua parede, cerca de ls fincones, alhá quedában uas puntas de gamoneiras qu’el fui arrincando i ajuntando. Nun éran mais que rabeiras, mas serbirien d’acendalhas, a la falta de scobas. A las bezes até parecie qu’algun galhico restralhaba debaixo de ls pies, mas nun era mais que la niebe ancalcada i rézea cada beç que la pisaba. Assi i todo, un galhico eiqui outro alhi, alhá fui ajuntando ua braçadica capaç d’acalcer un cachico que fusse. Fui-se assi arrimando al casulho.
Alhá staba eilha, ancustadica a la parede. Ls uolhos relhuzien-le cumo se fússen dues streilhas i ambrulhado no xale staba l nino acabadico de nacer.
−Á Jesé que yá ye Natal!
I era. L nino choraba ou rie. I al bé-lo, l mundo, anfenito, alhá fuora, quedou tan pequeinho que cabie drento de l casulho. I, cumo que por ancanto, la cabanha quedou mais grande que toda la preinada, mais alta que sierra, mais caliente que l qualquiera lhume. Cun ls palico traídos debaixo de l braço i ua cerilha, acendiu l lhume. Alhí s’acalcírun ls trés cun l burrico a spreitar i a guardar l’antrada. Era Natal.



António Bárbolo Alves
(Texto publicado em Mensageiro de Bragança)

13 dezembro 2017

VILA REAL


TORRE DE MONCORVO




Mensagem de Natal para todos

Natal 
é esta ânsia de querer bem
a toda a gente
que vive e sente
a mensagem de Belém.

Natal 
é  este amor apaixonado
que transforma a dor em verso
e enche de alegria o universo
sem pecado.

Natal 
é tudo o que na vida faz sorrir
mesmo que tenhamos de chorar
para encontrar 
o que há-de vir.

Natal 
é a certeza que nos guia
na luta destemida de vencer
a incerteza de viver
em cada dia.



Barroso da Fonte,
In “Trinta Anos de Poeta”, Guimarães: Correio do Minho,1995.

12 dezembro 2017



O Natal da Minha Infância


Ah!, como era bela e natural,
A noite de Natal
Da minha infância.
Mesmo sem acalentar a esperança,
Que o Menino Jesus fosse à chaminé,
Para deixar brinquedos no meu sapatinho.
Porque, não havia chaminé,
Nem brinquedos,
Nem, muitas vezes,
Sapatinhos para pôr no pé.


Mas era o meu Natal de Amor,
E imaginário também.
Festejado junto de estábulos,
Como os de Belém,
Onde não faltavam animais,
Mansinhos e leais,
Nem pastores e Reis Magos,
Nas canções da minha mãe,
Que me cantava com afago, 
Junto da lareira, 
Onde o fogo crepitava,
E eu me sentia bem:

“- Olá, meu Menino/Como Tendes passado/
Só para Vos ver/Deixei o meu gado...”

Na presença da luz difusa de uma candeia,
E a escutar a cadência dos bailados
Dos farrapos de neve
Que caíam silenciosos nos telhados,
Como se fossem, tal qual,
Anjos vestidos de branco, como em Belém,
Embalados pelas canções de Natal,
Cantadas pela minha mãe.



João de Deus Rodrigues,
In “O Acordar das Emoções”, Tartaruga Editora.

11 dezembro 2017

MOGADOURO





Natal


Hoje,
Sabe-me a ti o dia,
Meu amor.
Há nos teus lábios um céu
Que contagia.

Hoje,
Sabe-me a ti o dia,
Meu amor.
Há no teu rosto candura
E deliciosa alegria.

Hoje, 
Oiço o vento forte ventar
E a neve delicada nevar.
Mas o que me importa é a ternura
Que vem do teu olhar.

Hoje, 
O dia sabe-me a ti, como outrora,
Quando por alguns instantes
 O nosso mor nos campos corria
Atrás dos pássaros viajantes.

Hoje,
Paira longa, no ar,
Uma aura de magia!
Oh! Que bonita sinfonia
Alguém está por aí a tocar!

Hoje,
Está tudo tão diferente!
Que se passa afinal?
São só os meus olhos que d’ encanto
Se vestem para a vida alindar?

Ou será que o sublime canto
Que vivo e lembro,
Hoje,
É só por ser Dezembro,
É só por ser Natal?



J. Ribeiro Aires, 
À Espera de TI, Amores Perfeitos, 2005

10 dezembro 2017




O Espírito de Natal

Há quem se alegre com a aproximação do Natal, há quem fique deprimido. Costumo pertencer ao primeiro grupo. Quando, porém, não tenho ocasião de ir passar o Natal à pátria, momentos há em que a tristeza lança uma mancha de tinta negra sobre o colorido da festa.
Há uns anos, caí num poço melancólico, que me fez acreditar ser impossível recuperar o espírito natalício. Desejei que o Natal passasse depressa. Depois da Consoada, desejei adormecer tão fundo, que só acordasse no dia 26, já a pensar no Ano Novo.
De manhã, porém, a minha cadela Lucy começou a mostrar sinais de impaciência logo às oito horas. Mas que maneira de iniciar o Dia de Natal, a amaldiçoar a bicha! Lá me levantei e fui dar a volta com ela, ainda antes do pequeno-almoço.
Estavam dez graus negativos, havia neve no chão... Mas eu procurava em vão o espírito de Natal.
Cruzei-me com um homem que conheço de vista, também a passear o seu cão. Em vez do habitual «Guten Morgen» (bom dia), saiu-me: «Frohe Weihnachten» (Feliz Natal). O homem abriu um grande sorriso e respondeu: «Danke, gleichfalls» (obrigada, igualmente).
Senti-me quente por dentro, como se tivesse bebido um café. Alguns metros mais à frente, apercebi-me de que um ciclista se aproximava, por trás de mim. Há muitos ciclistas na Alemanha, eu própria ando frequentemente de bicicleta. Mas, com aquele frio... E o passeio apenas limpo de neve numa faixa estreita...
Pensei: não me desvio, o passeio é para os peões, ele que mude para a rua. A rua, porém, parecia muito escorregadia. Parei, cheguei a Lucy a mim e deixei espaço para o ciclista passar. O homem abriu um grande sorriso, disse: «Muito simpático da sua parte! Obrigado». Tive de sorrir também: «De nada».
Quando cheguei a casa, o meu marido já tinha preparado o pequeno-almoço: o café quentinho, o pão torrado e estaladiço, a manteiga... A sensação de conforto tomava cada vez mais conta de mim, preenchendo o vazio...
Afinal, não me tinha deixado, o espírito de Natal.



Cristina Torrão
Texto baseado numa publicação no blogue “Andanças Medievais”:
                 https://andancasmedievais.blogspot.de/       

09 dezembro 2017



Pré-Natal/Natal

Nessa altura, Jesus não existia.
Foi quando o Anjo Gabriel
Anunciou a Maria
Que Deus a tinha escolhido 
Para ser a Mãe do Seu Filho
Muito querido.

Nessa altura, Jesus não existia.
Foi quando Maria,
Na sublime e tímida verdade,
Que em corações humildes
Profundamente lavra,
Disse ao Anjo Gabriel:
- Faça-se em mim
Segundo a tua palavra!

Nessa altura, Jesus existia.
Foi quando Maria,
Ao visitar a prima Isabel,
Lhe deu a conhecer a sua concepção 
Que, mensageiro de Deus, lhe anunciou
O anjo Gabriel.

Nessa altura, Jesus existia.
Foi quando José e Maria,
Procurando pousada para os dois,
Foram dar, sozinhos, lá nos montes,
A um curral de bois.

Nessa altura, Jesus existia.
Foi quando,
Várias horas antes de nascer o dia, 
Celestes anjos entoaram hinos,
Muitos pastores, muitos peregrinos,
Se interrogaram sobre o que seria
Tanto esplendor, tanta luz e tanto brilho
A iluminar a Terra, a iluminar o Céu!
Que seria?! Que não seria?!
Que estaria para vir?!

É que, nessa altura, o Filho de Maria, Jesus, nasceu.

E tendo nascido, 
Sem grande esforço todos foram a admitir
Que, precisamente nessa altura, 
Jesus continuava a existir!



Manuel António Gouveia
Texto inédito

08 dezembro 2017



Consoada duma família Cigana

A etnia cigana nunca foi muito bem vista em Barroso como, aliás, em todo o norte do País, por serem indivíduos pouco dados ao trabalho e inclinados para o gamanço. Em Barroso costuma dizer-se que “quem não trabuca não manduca” e por conseguinte, os ciganos, que não são gente de dar o corpo ao manifesto, não gozam ali de grande simpatia.
Em parte, esta filosofia Barrosã, tem a sua lógica se atendermos a que ali se vive do trabalho e todos trabalham arduamente para viverem.
Começava-se desde criança, mesmo na idade pré-escolar, a guardar as vacas nos lameiros. Faltava-se depois à escola para ir levar e buscar as vacas ao tapado. Nas férias, com um naco de pão centeio e uma boa talhada de presunto na saca, pendurada a tiracolo, tocava a marchar atrás das vacas por essa serra acima, todo o dia, ou com a rês quando batia a vezeira à porta. No pós-escolar alargavam-se os afazeres pelo campo e já lá vinha um irmão mais novo para lançar ao rabo dos bovinos. “De pequenino se torce o pepino” ainda diz o aforismo popular.
Em Barroso sempre se viveu para trabalhar e nunca se soube fazer outra coisa. Também a pobreza da região só é compensada com muito trabalho e quem não trabalha, quem não produz não tem o direito de consumir. Eis a razão da aversão Barrosã à ciganada. Não que a terra seja improdutiva, mas os rigores do clima com “nove meses de inverno e três de inferno”, as más ligações aos centros de consumo, mais recentemente a falta de braços provocada pela emigração e a escassa ou nula industrialização, é que fazem de Barroso uma região pobre.
O Ti João e a Tia Maria ciganos não eram como os demais. Honestos, humildes, educados e trabalhadores. Boas virtudes para se arranjarem amigos em Barroso e, assim, é que eles os arranjaram e eram estimados em rodo o Rio.
­ Eh calês[1] de quem és?
­ Da Maria Cigana.
­ Então toma lá um molho de feno p’ró gerico…
­ Toma lá umas batatas…um pedaço de broa para a família.
Enquanto a Tia Maria manguinhava[2] e tratava de fazer o ghalhar[3], os chaburrilhos[4]cortavam e limpavam vimes e Ti João fabricava cestas, fazia e consertava albardas.
- Oh calês, roubaste-me um molho de erva!?
- Não nhõr. Eu num chordo[5] co meu bate[6] currala-me[7] cum castre[8]
Não Senhor. Chordar não, manguinhar sim e nem fica mal a quem precisa.
Natal frio o desse ano. A neve que começara a cair lenta, bailando no ar como pétalas de flor de cerejeira, indo cair cada uma no lugar certo a completar o tapete branco, convertera-se naquela neve miudinha, gélida e furaqueira, tocada a vento lá das bandas do Gerez, que penetrava por qualquer minúsculo buraco.
Os cães tiritavam enrolados a um canto do pátio, sobre uns restos de palha, enterrando o focinho nas partes. Os gados não tinham saído a pasto. Os pardais, famintos, piavam tristes e de longe não se atrevendo a voos largos, recolhendo-se sob os beirais dos canastros com a plumagem eriçada.
Nesse dia, Ti João cigano não trabalhou. Matou o bicho com dois caudalosos tragos de panhi[9]e abalou a dar uma volta pelos palheiros a manguinhar uns molhos de feno para o gher[10]. À tarde foi procurar um madeiro para a fogueira da noite de consoada. No forno do povo estavam os da volta[11]e por serem brigões o Ti João não quisera misturar-se-lhes. Acampara sob uma extensa varanda, abrigada de norte e poente, por conseguinte, da inclemência da neve.
A um lado o burro, com o traseiro encolhido a proteger-se da intempérie e de um ou outro borrifo caído do beiral, consumia placidamente a molhada. Do outro lado, quatro mantas dobradas sobre um molho de palha onde dormiria toda a família: o João, a gamba[12] e os três chaburrilhos. Ao centro a grande fogueira e os potes a cobrirem-se de cinza.
- Maria, quando se cozem essas balulas[13]!?
- Já vai. Já deste o cadês[14] ó lacrô[15] p’ra ir buscar o mole[16]?
- Já. Jalela-te[17] Tonho se queres camelar[18] do mole!
E lá vai o Tonho a correr com a garrafa numa mão, enquanto com a outra segura pelo cós as calças que lhe saíram largas e sem alças.
É noite. A neve continua a polvilhar tudo em redor. Pelas janelas das casas rústicas o fumo sai se amaina a ventania., mas volta a entrar em redemoinho se ela o força. Tilintam nas cortes as campainhas e o gado remói. O burro do cigano consumiu o feno. À volta da fogueira, em religioso silêncio, só se ouve o crepitar da chama e o derriçar dos dentes no conduto. O Ti João, com as barbas besuntadas, derriçava a dente um pernil de porco, fumado, vermelhinho e capaz de fazer pecar o mais beato em Sexta-Feira Santa e os olhos sorriam-lhe felizes pelo petisco. Aquilo não era comer de todos os dias, nem era todos os dias, apesar de serem boa gente, que avezavam de esmola um pernil a não ser em paga de alguma cesta de vime! Dos três chaburrilhos, enquanto dois se compraziam com uma unha de porco e um bocado de chouriça, o mais novinho, de olhar brilhante, chupava um seio da runhi[19] descaído da blusa, enquanto esta, com uma faca, limpava até ao osso um canelo de presunto. Em escudela de madeira, fumegavam as balulas farinhudas, apetitosas, donde todos se serviam em comum.
Limpando os beiços e os queixos às costas da mão que, por sua vez, limpavam às vestes por altura do traseiro, embocavam a garrafa e o mole comprado na taberna do Augusto ajudava ao deleite daquela família.
A chama da fogueira dava ao quadro uma tonalidade de sol-posto à beira-mar.
Qualquer bom pintor faria dali a sua obra-prima pois jamais se viu assim um presépio tão natural. Faltava apenas a vaquinha que é animal com que cigano não quer nada.

Deus invejaria não ser humano para se associar àquela ceia.!



António Francisco Dias Vieira,
In "HISTÓRIAS DA BRECA - Curtas e irreverentes", Editora Fronteira de Caos, 2017

[1] -cigano
[2] -pedia
[3] -comer
[4] -filhos
[5] -roubo
[6] -pai
[7] -bate-me
[8] -pau, vara
[9] -aguardente
[10] -burro
[11] -pobres não ciganos que normalmente tinham a arte de latoeiros
[12] -mulher
[13] -batatas
[14] -dinheiro
[15] -rapaz
[16] -vinho
[17] -corre, vai depressa
[18] -beber
[19] -mãe

07 dezembro 2017



Natal

Tocou o sino
e despertaram bandos de impotências,
e aquela serra
pejou-se de asas cor de medo.
Do oriente, envolta em arrebol,
veio a certeza
de que a terra pod’ria ainda ser Edém
e de que a cor das coisas
pod’ria ainda ser a da esperança.
Novamente o sino badalou,
e a noite, embora negra e cega, desfez as diferenças.
Com a nuvem de asas negras
desenhada no poente,
surgiu um rouxinol
a mostrar, à meia-noite,
o seu canto de fogo, irrepetível,
como a vontade de ser.
E a azáfama andava de mão em mão,
e os séculos lutaram contra o tempo.
E ouviu-se uma palavra, um verbo,
que era a acção pura que irmanava tudo
e fazia que o desejo fosse universal,
e que a vontade fosse dona das constelações.
E, nos vales e nos montes,
a sinfonia incompleta
ficou ouvindo-se, qual música de fundo,
no viver quotidiano.
Depois, foi a estridência.
Os segundos violinos, as violas,
as flautas, contrabaixos e trombones
não acertavam o tom deles
p’lo do verbo que era música mais pura do que a música.
E houve guerra nas bancadas do anfiteatro humano.
“Fora o mestre!” – repetiam.
Mas o mestre não regia desesperos.
E o teatro sumiu-se envolto em hipocrisia.
E, lá fora, o sol oferecido
iluminava os olhos baços com luz teimosa, inquietante.
E o sino tocou mais uma vez.
E quebrou-se o gelo das moléculas da escuridão das consciências.
E começou a amanhecer.

Bernardino Henriques,
Publicado no Jornal “A Voz do Nordeste” de 20/12/88 e, posteriormente, incluído no livro de poemas Painéis, Mirandela, 1992.