22 novembro 2016


GRANDE PRÉMIO DE TRADUÇÃO LITERÁRIA APT/SPA 2016



             O Grande Prémio de Tradução Literária APT/SPA (Associação Portuguesa de Tradutores / Sociedade Portuguesa de Autores) referente a 2016, foi entregue no passado dia 10 de Novembro, em ex-aequo, a Ricardo III, de Shakespeare, tradução de Rui Carvalho Homem, Editora Relógio D'Água, e à obra Na Margem, de Rafael Chirbes, tradução de Rui Pires Cabral, Editora Assírio & Alvim.
              O júri do Grande Prémio foi constituído por Teresa Seruya, António Torrado e Alexandra Lopes.
             Rui Pires Cabral, tradutor e poeta trasmontano, nasceu em Macedo de Cavaleiros, em 1967. 
                Rafael Chirbes (1949-2015) é considerado o romancista espanhol «que melhor retratou a crise económica e os respectivos escombros sociais que se lhe seguiram».

20 outubro 2016







CONVITE

Vimos convidá-lo a assistir à Palestra que o Presidente da Fundação Lusíada - Dr. Abel de Lacerda Botelho - irá proferir na Sociedade de Geografia de Lisboa (Auditório Adriano Moreira - R. das Portas de S. Antão, 100 em Lisboa), no próximo dia 21 de Outubro 2016  pelas 15:30 horas - sob o tema:

 

A Verdade em Luiz de Camões e nos seus Versos.

 

A Direcção

 

Entrada LIVRE.

 

19 setembro 2016

BRAGANÇA


Ciclo ‘Torga – Na rota do Diário’

 
Tem lugar no dia 1 de Outubro de 2016 (sábado), em terras de Baião, a 3.ª jornada do Ciclo ‘Torga – Na rota do Diário’, iniciativa do Grémio Literário Vila-Realense.

Será visitada a Casa de Tormes, da Fundação Eça de Queirós. Haverá também uma breve passagem pela Casa do Lodeiro, onde será evocada a memória de Francisca (Fanny) Owen.

Visitas à Casa das Bengalas e à oficina de um artesão de bengalas completam o programa, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Baião.

 

XIX Jornadas Culturais de Balsamão



TORRE DE MONCORVO


SABROSA


25 agosto 2016

BENTO DA CRUZ


25 de AGOSTO de 2015

Completa-se hoje um ano sobre a data em que Bento da Cruz deixou corporeamente este mundo. Apenas corporeamente, porque no mais continua luminosamente nos nossos corações.

O génio de Torga soube encontrar as palavras certas para exprimir a sua homenagem ao grande poeta Garcia Lorca. Pedimos-lhas, de empréstimo, para evocar também  hoje, este  grande transmontano e amigo comum:

                              “FREDERICO GARCIA LORCA”

 

                               Garcia Lorca Sou eu,

                               mais uma vez

                               Venho negar à humana condição

                               A humana pequenez

                               Da ingratidão …

 

 

 

                               Venho e virei enquanto houver poesia

                                Povo e sonho na Ibéria

                                Venho e virei à tua romaria

                                Oferecer-te a miséria

                                Duma oração lusíada e sombria

 

                                Venho, talefe branco da Nevada,

                                Filho novo de Espanha !

                                Venho, e não digas nada;

                                Deixa um pobre poeta da montanha

                                Trazer torgas à rosa de Granada !

 

 

 

                                 Indomável cigano

                                 Dos caminhos do tempo e da ventura

                                Sensual e profano,

                                O teu génio floresce cada ano…

                                Venho ver-te crescer da sepultura!

                                 

                               Bruxo das trevas onde alguém te quis,

                               Nelas arde a paixão do que escreveste!

                                Sete palmos de terra, e nenhum diz

                                Que secou a raiz,

                                Que partiste ou morreste

 

                                Uma luz que é o aceno da verdade

                                Abre-se onde os teus versos vão abrindo

                                A eternidade,

 

                                 Na pureza da sua claridade,

                                 Sobre o teu nome, universal, caindo…

                                 

 

                       

 

                        (MIGUEL TORGA, Poemas Ibéricos, Coimbra, 3ª ed., 1985, pp.68-9)

24 junho 2016

SABROSA


RIBEIRA DE PENA


VILA REAL: Encontro de Vila Real com a História

 

Dado que uma das vertentes da actividade do Grémio Literário Vila-Realense é o fomento da investigação de aspectos relacionados com a história do concelho de Vila Real, em 2016 desenvolver-se-á o conhecimento de algumas das tradições ligadas às Festas de São João e São Pedro.

 
24 de Junho (sexta-feira)

21h30, Museu da Vila Velha

Exposição ‘O São João: balões e publicidade’

 

29 de Junho (quarta-feira)

18h00, Grémio Literário Vila-Realense

Exposição ‘O São Pedro: fotografia e alguidares de forno’    

 

 

 

16 junho 2016

BRAGANÇA

Apresentação do livro "Mais do que instantes", de Débora Macedo Afonso, na Fundação Os Nossos Livros.

15 junho 2016

CUSTÓDIO MONTES


Síntese

1.6.2016

 

Foi “imagens de cera” da Elisa

Primeiro dia, logo a começar

Depois “Outono” já a amadurar

E  “o meu caminho” a idade frisa

 

“Os sons dos silêncios” da poetisa

Tão bem ditos com alma a declamar

Suspensos pela voz a emoldurar

Como vento a soprar em fresca brisa

 

Beleza, juventude, claridade

Da vida cada qual com o seu tom  

Que lança outro olhar à realidade

 

Dia de poesia ….foi tão bom:

A vida a força o sonho em toda a idade

E a Lara sim mas Lara de León

 

MIRANDA DO DOURO